Menu

Carta de um aspirante a macroeconomista (com resposta de Paul Romer)

Prezado Professor Romer,

Estou lhe escrevendo sobre seu recente artigo de trabalho The Trouble with Macroeconomics, que gerou muitas reações.

Eu tenho uma pergunta simples. Sou estudante de pós-graduação em Economia. Vou começar um programa de doutorado em Economia no próximo ano. Sempre amei macroeconomia, e provavelmente vou me especializar nessa área. Minha pergunta é:

  • Devo ver todas as críticas feitas à macroeconomia como um sinal de que haverá grandes desenvolvimentos e evoluções, o que o torna bastante empolgante?
  • Ou, pelo contrário, devo ter medo e tentar ficar o mais longe possível da macroeconomia?

Desde já agradeço sua resposta e desejo uma ótima semana.

Atenciosamente,

_____________

 

Resposta de Paul Romer

 

Prezado(a) ________,

Minha previsão sobre uma nova carreira em macroeconomia é:

– maior diversidade, portanto
– maior valor de opção.

Você sempre pode seguir o caminho do consenso, seja lá o que for. Mas em relação às últimas três décadas, você também terá a opção de investigar fora do consenso predominante. Houve tão pouca investigação nas últimas décadas que os retornos provavelmente serão excepcionalmente altos (maior valor de opção). (Acho que você pode interpretar o ponto de Narayana Kocherlakota sobre “ a prevalência de quebra-cabeças ” como evidência de apoio.)

Claro, a investigação é arriscada. Alguns novos caminhos levarão a um beco sem saída. Os que importam são os poucos que acabam por oferecer novas perspectivas importantes. Portanto, diversifique e seja implacável ao descartar todos, exceto os mais bem-sucedidos. Um artigo científico chato adicional acrescentará pouco à sua satisfação ou às suas oportunidades. (Para uma discussão mais geral deste ponto, veja meus comentários aqui sobre o que significa pensar como um cirurgião.)

Se estou certo de que nas últimas décadas o equilíbrio na macroeconomia pós-real desencorajou a boa ciência (e lembre-se, muitos economistas não concordam comigo, pelo menos não ainda) há algum risco de que uma retaguarda de macroeconomistas pós-real continuarão a defender sua noção de pureza metodológica. Neste ponto, é difícil saber se esse grupo vai se fragmentar ou se entrincheirar para uma luta até a morte. Se eles se aprofundarem, suspeito que será em alguns departamentos e que a diversidade entre os departamentos será maior. Assista para ver como isso se desenrola e escolha para onde você vai tendo isso em mente.

Para saber mais sobre um departamento, visite e pergunte a macroeconomistas que você conhece “honestamente, o que você acha que foi a causa das recessões de 1980 e 1982”. Se eles disserem algo diferente de “Paul Volcker as fez derrubar a inflação”, trate isso como pelo menos uma bandeira amarela de advertência. Então pergunte sobre a causa da Grande Depressão. Se eles começarem a falar sobre as políticas anti-mercado do New Deal, ouça educadamente e risque este departamento da sua lista.

Seja igualmente cauteloso ao procurar seu primeiro emprego. As decisões de promoção em departamentos com agrupamentos de macroeconomistas pós-reais podem ser fortemente tendenciosas a favor de sua equipe e contra “esses caras”. Porque eles conspiram de forma tão eficaz e tão agressiva, eles podem ter uma influência desproporcional ao seu número. (Ah, as histórias que eu poderia contar.) Portanto, observe cuidadosamente o padrão real de decisões sobre contratação e promoção em macroeconomia nos últimos 20 anos. Com efeito, teste a hipótese de que um departamento conta com um modelo de um fator que avalia a qualidade ou um modelo de dois fatores que pondera a qualidade e a conformidade com o dogma local. Para fazer isso, você terá que desenvolver seu próprio senso de qualidade dos vários periódicos onde a macroeconomia é publicada. Você terá uma ideia disso quando terminar seu doutorado.

Quando você considerar uma pós-graduação ou uma oferta de emprego, tente encontrar uma que tenha uma cultura como a que Milton Friedman descreveu na Universidade de Chicago quando disse que “um acadêmico não se preocupa em ser diplomático, não em tentar evitar ferir os sentimentos das pessoas, mas um acadêmico se preocupa em dizer o que é certo. Dizendo a verdade, ou tentando chegar a ela. E se você discorda de alguém, você não diz ‘bem, agora pode haver algo no que você diz’… Você diz ‘isso é um monte de bobagem’”.

Desconfie se lhe disserem que “mantemos um ambiente em que todos se dão bem”, porque isso pode ser um código para “não toleramos inconformistas”. (Ah, as histórias que eu poderia contar.)

Lembre-se de que você tem muitas opções de saída que limitam seu risco de queda. Se as coisas não derem certo na macroeconomia acadêmica, vá fazer outra coisa.

Para mim, uma vida na ciência tem sido muito gratificante. Ela oferece uma das poucas oportunidades de se comprometer com uma causa maior do que o indivíduo. De uma perspectiva puramente egoísta, esse tipo de compromisso tem a vantagem de ser um caminho confiável para uma vida satisfatória. Além disso, você tem a chance de continuar aprendendo. Como parte dessa estratégia, defina o sucesso em seus próprios termos. Você pode enquadrar um revés que parece ser um fracasso da perspectiva individual (talvez uma conjectura ousada que se revele totalmente errada) como uma contribuição para o progresso do campo como um todo. Se você começar a interpretar a crítica como um ataque pessoal e a admissão de que estava errado como uma humilhação, causará a si mesmo sofrimento desnecessário e deixará de aprender.

Mantenha um diário. É bom para sua escrita e pode eventualmente ser um registro útil de suas experiências.

Boa sorte e por favor me escreva e me diga como as coisas estão indo.

Atenciosamente,

Paul

 

Publicada na quinta-feira, 22 de setembro de 2016.

Tradução livre realizada por Junior Garcia.

UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Flickr
Universidade Federal do Paraná
Grupo de Estudos em MacroEconomia Ecológica – GEMAECO
Avenida Prefeito Lothário Meissner, 632, térreo

duvar kağıdıduvar kağıdı


Fone(s): +55-41-3360-4437
CEP 80210-170 | Curitiba | PR


©2022 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR